85 anos da chegada de Schoenstatt ao Brasil

9 de junho de 2020 às 11:27 AM

Irmãs missionárias são enviadas para construir Schoenstatt em terras brasileiras

 

Ir. M. Márcia Silva - Um pequeno grupo, com 12 Irmãs de Maria de Schoenstatt, a cruz, o Santuário e um tijolo, assim foi o início de Schoenstatt no Brasil. A pequenez dos instrumentos e as dificuldades do início não abalaram a consciência de missão, que moveu as Irmãs pioneiras a atravessarem o oceano e trazerem Schoenstatt às terras brasileiras.

 

Com a bênção e o envio do Fundador, Pe. José Kentenich, as missionárias chegam ao Brasil, no dia 10 de junho de 1935, e desembarcam no porto de Santos/SP. Elas se estabelecem em Jacarezinho/PR, onde ajudam os Padres Palotinos nos trabalhos do Colégio Cristo Rei. Desde o início, procuram a oportunidade de iniciar os trabalhos apostólicos com o Movimento de Schoenstatt e a Divina Providência as conduz à recém-fundada cidade de Londrina/PR, em janeiro de 1936.

 

“Foi um início muito difícil: ainda não sabiam falar português, só poucas palavras; a cultura diferente, costumes diferentes, alimentação diferente, povo diferente. Foi um início muito pobre, não tinham nem o necessário para se alimentar, passaram fome, porém, conseguiram superar tudo na consciência de missão e na certeza de serem sustentadas pela força da Cruz de Cristo e a intercessão materna de Maria, a partir do Santuário”, conta Ir. M. Silvia Regina Formagio, superiora das Irmãs de Maria de Schoenstatt da Província Schoenstatt-Tabor, de Atibaia/SP.

 

Deus tem um plano e necessita de instrumentos 

 

Em Londrina, as Irmãs iniciam a atuação no atendimento aos pacientes, no chamado “hospitalzinho de madeira”, que seria a futura Santa Casa, e nas aulas para as crianças, no futuro Colégio Mãe de Deus. “Apesar de todas as dificuldades e lutas, tudo cresceu rapidamente. Elas começaram as atividades na catequese da Igreja Matriz, que hoje é a Catedral, e no Movimento Apostólico de Schoenstatt. As jovens começaram a se interessar pela comunidade e surgiram as primeiras vocações brasileiras”, diz Ir. M. Silvia Regina.

 

Do interior do Paraná, Schoenstatt se expande por todo o Brasil, com 23 Santuários filiais, com os seus ramos e comunidades, com o Terço dos Homens e a Campanha da Mãe Peregrina de Schoenstatt. 

Lançar-se como semente

 

“Quantas vezes, na história universal, fatos pequenos e insignificantes converteram-se em grandes acontecimentos”. Estas palavras do Pe. José Kentenich, proferidas no momento da Fundação de Schoenstatt, se repetem na vida das 12 Irmãs pioneiras; afinal, quem poderia imaginar que 85 anos depois, Schoenstatt, no Brasil, seria o que é hoje?

 

Recordar a chegada das 12 Irmãs pioneiras é olhar para a história de Schoenstatt e agradecer a ousadia e coragem das primeiras missionárias, que deixaram sua pátria, sua família e lançaram-se como sementes na fundação de Schoenstatt no Brasil. Hoje as palavras do Pe. Kentenich, no envio das missionárias, se dirigem a cada um, é preciso “lançar-se a si mesmo como semente, semente dum novo mundo. O mundo deve tornar-se, mais e mais, Schoenstatt”.

Foto: Álvaro Coutinho

Compartilhe

© 2020 Schoenstatt. Todos Direitos Reservados

Weblite