Advento: tempo de recomeçar

1 de dezembro de 2019 às 21:05

 

A primeira bola da árvore de Natal...


Edson Pieralise - Conta-se que em uma noite de Natal, depois que todos se foram da gruta de Belém, São Jerônimo ficou ali rezando... Então, o Menino Jesus apareceu e travou-se o seguinte diálogo: - “Jerônimo, o que você vai me dar de presente de aniversário?”


- “Senhor, te presenteio minha saúde, minha fama, minha honra, para que o Senhor a utilize como achar melhor”.


- “Ah, só isto, nada mais?”


- “Ó meu amado Salvador, por Ti já compartilhei os meus bens entre os pobres, dediquei meu tempo para estudar as Escrituras... o que mais posso te dar? Se o Sr. quiser, dou meu corpo para ser queimado em uma fogueira e assim consumir-me todo por Ti”.


- “Jerônimo, presenteia-me teus pecados para perdoá-los”.


Chorando, São Jerônimo exclamou: “O Sr. é louco de amor quando me pede isto”. E se deu conta que o que Deus mais deseja é que ofereçamos a Ele um coração humilde e arrependido, que pede perdão por suas faltas cometidas.


Nosso Santuário (Original, Filial, Lar, Coração) é Belém!

Cada vez que entramos no Santuário se faz realidade os versos da canção: “e à praia dos teus braços chega o meu navegar”. Vamos navegar para o Santuário e ali vamos presentear a Jesus um coração humilde, arrependido, que pede perdão, que se deixa perdoar... um coração filial repleto de gratidão... um coração mariano que aspira às estrelas e que na força do amor misericordioso de Deus se coloca a caminho de um novo recomeçar! E cada um sabe onde necessita recomeçar...


No presépio que está sendo montado na frente do Santuário Tabor da Esmagadora da Serpente em Londrina, cada pessoa é convidada a colocar uma bola de Natal com o nome de sua família no pinheirinho.


A primeira bola foi das crianças – um grupo das “apóstolas luzentes de Maria”. Que o brilho do olhar das crianças nos anime:
- a fazer de nosso coração uma manjedoura...
- e - com as graças deste tempo santo e do nosso Santuário Jubilar - a recomeçar!


“Vem Jesus, ó Rei Divino ao meu pobre coração.
Eu te espero com saudade, alegria e gratidão.
Se o mundo te rejeita com dureza e rigor,
minha alma te acolhe com alegria e amor”

 

 

Compartilhe

© 2020 Schoenstatt. Todos Direitos Reservados

Weblite